Defesa Ambiental de Maricá encontra carvoaria clandestina

0
1684
Dona Ilca, de 95 anos e moradora de Inoã, prestigiou o evento

A Defesa Ambiental da Guarda Municipal de Maricá, em operação realizada nesta quarta-feira (07/11) na área rural do Silvado, encontrou grande quantidade de madeira, cortada por motoserra, e que seria destinada à produção de carvão. Os carvoeiros não foram encontrados no local.

A carvoaria clandestina foi instalada cerca de 50 metros acima de uma passagem do Rio Silvado, em propriedade particular. O equipamento utilizado para a queima da madeira, popularmente chamado de “balão”, consiste em um retângulo escavado na terra, com cerca de quatro metros de comprimento por dois metros de largura e com um metro e meio de profundidade, onde a madeira cortada é depositada e queimada, com uma camada de terra por cima, para que não esfarele demais. A madeira queima de dois a três dias, formando o carvão, que é embalado em sacos de estopa de 25 quilos, e comercializado na região. A cada queima, são embalados de 50 a 100 sacos de carvão.

Crime ambiental

O coordenador da Defesa Ambiental, GM Moretti, ressaltou que as atividades de extração e queima de madeira para produção de carvão constituem crime ambiental, com citação em diversos artigos da legislação. “Em primeiro lugar, estão tirando madeira de forma clandestina, de uma propriedade particular. Em segundo, são árvores e arbustos da flora nativa, outro crime ambiental. Podemos ver troncos e galhos de madeira nova aqui. Em terceiro, estão utilizando motoserra, equipamento licenciado apenas pelo IBAMA, que não permite seu uso em reservas florestais. Nosso procedimento, no caso, é fazer o registro da situação e entregar um processo completo (relatório e fotos) ao fiscal da Secretaria de Meio Ambiente, que notificará o dono da propriedade.

Moretti explica também o que aconteceria caso os carvoeiros fossem encontrados no local. "No caso do flagrante, com os carvoeiros em atividade, o procedimento seria a detenção de todos. Eles seriam levados à delegacia local, para depoimento, e todo o material encontrado seria apreendido", declarou. A população pode denunciar crimes ambientais pelo telefone da Defesa Ambiental da Guarda Municipal, que é o 2637-8737.

Equipe autua dono de casa por poda irregular

Em outra ação, a equipe de Defesa Ambiental da Guarda Municipal foi verificar uma denúncia de poda irregular de árvore em uma casa na Rua Guilherme Cunha, no bairro Pedreiras. O grande acúmulo de pedaços de lenha cortada na calçada da residência chamava a atenção de pessoas que passavam pela via.

Na chegada, os agentes ambientais conversaram com trabalhadores que estavam na casa, onde já havia uma equipe da Secretaria de Ambiente e Urbanismo de Maricá. De acordo com o órgão, os donos da casa poderão ser autuados pelo corte sem autorização e a madeira extraída não pode ser retirada do local. A Secretaria de Ambiente orienta a qualquer morador que queira ou precise realizar uma poda de árvore em casa que procure o órgão para obter a autorização, que só não será necessária nos casos em que a não realização do trabalho representar um risco iminente aos moradores e à construção. A infração é passível de multa em dinheiro ou de uma compensação ambiental.