Equipes da Segurança trabalharam em apoio aos shows e com fechamento de trânsito - Foto: Divulgação

Um carnaval de paz e alegria. Essa foi a avaliação feita pela Secretaria de Segurança Pública e Trânsito de Maricá sobre os dias de folia, quando aproximadamente 500 mil pessoas se divertiram nas ruas e praias da cidade. De acordo com o órgão, os esquemas de trânsito funcionaram de forma satisfatória e a população também colaborou respeitando as determinações e brincando com tranquilidade.

No total, foram apreendidos 9 carros e 21 motos em situação irregular, além de uma ação da Operação Lei Seca na terça-feira (28/02) e da repressão aos veículos com som automotivos próxima a áreas de grande concentração. Nesses locais foram distribuídas mais de 3 mil pulseiras de identificação para crianças, mas houve apenas um registro de criança perdida durante o dia, na Praia de Cordeirinho. Para o secretário Celso de Almeida Netto, a programação do setor atingiu 80% do esperado, o que sinaliza que há ajustes a se fazer.

“No geral, o esquema planejado funcionou bem. Tivemos problemas pontuais como uma ou outra confusão de trânsito em alguns locais e desentendimentos entre comerciantes e ambulantes. A esses dois grupos me dirijo pedindo desculpas por possíveis ações e palavras mais enérgicas, mas foi tudo calor do momento e pelo volume de coisas acontecendo paralelamente num evento dessa proporção. Estamos avaliando os ajustes que podemos fazer e tenho certeza que vamos melhorar o que funcionou bem nesses dias”, garante o secretário.

Defesa Civil

Segundo o coordenador da Defesa Civil Municipal, Edson do Amaral, o número de atendimentos registrados nas praias de Maricá aumentou durante o Maricarnaval em relação à 2016, mas apenas porque o número de postos de atendimentos subiu de 10 para 15. Em Itaipuaçu, foram colocados cinco postos para atender os banhistas; na Barra de Maricá mais quatro; Guaratiba, Cordeirinho e Ponta Negra ganharam outros dois cada bairro.

Foram registrados 43 afogamentos em Itaipuaçu; 20 na Barra de Maricá; três em Guaratiba; 16 em Cordeirinho e 41 em Ponta Negra. Além dos resgates, os guarda-vidas realizaram 573 procedimentos de intervenção preventiva, impedindo assim que mais banhistas virassem estatísticas de afogamento. Entre elas: intervenções na beira da praia; alertas de perigo e retirada de banhistas que estavam próximos aos pontos de correnteza.

“Tivemos um resultado positivo porque nossa praia estava supervisionada numa abrangência maior. Trabalhamos em 15 postos com 74 guarda-vidas e o apoio de 20 homens da Defesa Civil diariamente das 8h às 19h, dando mais segurança aos banhistas. Esse é um atrativo muito grande porque o banhista se sente seguro para sair de casa”, explicou Amaral.

Deixe uma resposta