Oficina terá duração de quatro meses e será realizada no Cinema Público Municipal Henfil - Foto: Clarildo Menezes

O Cinema Público Municipal Henfil inaugurou nesta quinta-feira (19/04), o Cine Henfil em Ação, a primeira oficina de cinema. Com plateia lotada, a aula inaugural ministrada por uma das idealizadoras, a cineasta Mariana Figueiredo, foi um passeio pelas origens da sétima arte, desde a criação do cinematógrafo pelos irmãos Lumiére até a industrialização do cinema. O grupo “Amigos da Cultura” (Dalva Alves e Ronaldo Valentim, violão e voz; Pedro Szighety , contrabaixo; Márcio Velasco, bateria; Paulo Ernani, percussão; e Wellington Gibi, sax), apresentou-se na abertura e no final do evento.

A mesa foi formada pelo secretário Geral e de Governo, Renato Machado (representando o prefeito Fabiano Horta); as secretárias de Cultura, Andrea Cunha, e de Educação, Adriana Luiza Costa; os secretários de Assistência Social, Jorge Castor, e de Comunicação, Ciência e Tecnologia, Sergio Mesquita; o ex-prefeito Washington Quaquá e outras autoridades do Executivo e do Legislativo. Quaquá abriu o evento. “O mundo atual vive novas mídias. A juventude busca conhecimento e sabe o que quer. A revolução social é mais importante que a econômica, e ela se faz com uma nova mentalidade, aberta a mudanças”, afirmou. “É preciso filtrar as informações que se recebe, ler livros e ver filmes de melhor qualidade, deixar de aceitar o que a mídia “oficial” empurra goela abaixo nas pessoas”, acrescentou. “É isso o que o capitalismo quer, a reprodução da mesmice. Esse curso certamente vai formar novos cineastas e pensadores”, completou.

O curso terá quatro meses (36 horas/aula) com uma aula semanal (toda quarta-feira) e será dividido em duas etapas. “São duas turmas, com 50 alunos cada. A proposta inicial é retratar Maricá como um todo, partindo da rua e do bairro em que se mora. Assim, conheceremos mais da história local e do cotidiano de cada distrito, contado pelos alunos”, disse a secretária Andrea Cunha. “As aulas serão dadas por cineastas e professores de cinema, com o celular e mídias como o Youtube, por exemplo”, acrescentou.

“Somos todos sonhadores. Por exemplo, pode-se pensar em um trabalho de cinema com a rede municipal de ensino. É bom que as crianças aprendam desde cedo a lidar, não só com a tecnologia, mas com o conteúdo de novas linguagens. Estamos trabalhando no momento, o “horário estendido”, uma forma de segundo tempo que agrega disciplinas como idiomas, teatro, música e, agora, porque não o cinema?”, perguntou secretária de Educação, Adriana Luiza da Costa.

“Sem o público não há cinema nem alguma outra forma de arte. Nosso governo investe no social, ao mudar as mentalidades e o sentimento do povo. A comunidade reconhece esse tipo de ação a seu favor”, disse o secretário de Assistência Social, Jorge Castor. Já o secretário Geral e de Governo, Renato Machado, representando o prefeito Fabiano Horta, declarou que “Maricá é uma vanguarda no estado e no país, em programas sociais. A Cultura trabalha a memória do povo e suas tradições, mas também o novo, e é isso que estamos vivendo agora. O prefeito Fabiano Horta apoia todo projeto que favoreça a comunidade e  faça o município avançar”, comentou.

O prefeito convidado de Volta Grande (MG), Jorge Luiz Gomes, lembrou que “o homem foi à Lua, mas esqueceu de explorar o seu interior, seu coração e sua mente. O cinema não é só entretenimento, mas também ferramenta de conhecimento, de mudança social. Minha cidade é terra natal de um dos pioneiros do cinema nacional, o grande Humberto Mauro. Dia 30 de abril, faremos uma homenagem a ele, com banda, projeção de luzes e filmes. O convite para vir a um evento como esse em Maricá me emociona, pois morei aqui em 1970 e a cidade mudou muito”, disse.

O cacique Darcy Tupã, da Aldeia Mata Verde Bonita (Tekoa Ka, aguy ovy porã, em guarani), e o pajé Marcos Rio Grande do Sul compareceram vestidos com seus cocares e armas, e foram convidados para compor a mesa. Um coquetel foi servido aos presentes.

O estudante Igor Torres Cardoso, 15 anos, aluno do 1º ano da Escola Estadual Elisiário Matta, recebeu um kit contendo o material do curso: apostilas, bloco de anotações, caneta e lápis, além da bolsa com a logo da prefeitura, secretaria e curso. “Sempre quis ser youtube. Agora vou filmar a cidade e seus personagens”, comentou Igor.

O engenheiro e editor de webTV, Gerson Santana, 42 anos, morador em Itaipuaçu, diz que se inscreveu porque pretende conhecer outras tecnologias. “Trabalho com a parte técnica, dando formatação aos produtos. Quero exercitar a linguagem, o conteúdo, o lado plástico do cinema”, concluiu.

Deixe uma resposta