Maricá discute políticas públicas na VIII Conferência Estadual de Assistência Social

0
811
Representantes de Maricá debateram sobre ações de acessibilidade - Foto: Fernando Silva

Cerca de duas mil pessoas participaram da VIII Conferência Estadual de Assistência Social, realizada nos dias 23, 24 e 25 de outubro, no Centro de Convenções Sul América, no Rio de Janeiro. Uma delegação de Maricá com cerca de 15 pessoas, entre elas o secretário municipal de Assistência Social, Jorge Castor, esteve presente ao encontro. O tema da conferência deste ano foi “A Centralidade do Sistema Único de Assistência Social e a valorização dos seus trabalhadores".

A abertura da conferência aconteceu às 18h do último domingo (23/10), com as presenças do secretário estadual de Assistência Social e Direitos Humanos, Rodrigo Neves, da subsecretária Nelma Azevedo, da presidente do Conselho Estadual, Heloísa Mesquita, e de representantes do Governo Federal, que formaram a mesa diretora, além de delegações dos 92 municípios fluminenses.

Foram abordadas as questões discutidas nas conferências municipais sobre o tema, com base no levantamento das demandas e apresentação de diagnósticos dos municípios, das atribuições do projeto nacional de erradicação da extrema pobreza no Brasil, recursos disponibilizados e serviços oferecidos pelo estado. Aprovadas as propostas e moções da conferência estadual, um dossiê será preparado para orientação dos trabalhos já desenvolvidos e dos que serão implantados.

Maricá

O tema deste ano será ainda discutido na Conferência Nacional que acontecerá em Brasília, entre os dias 8 e 11 de dezembro. O Estado do Rio indicou 58 delegados, e Maricá está entre eles, representado pelo presidente do Movimento da Pessoa com Deficiência (MPCD) de Inoã, Christiano Vasconcellos. Ele pretende discutir em Brasília as questões abordadas na Conferência Estadual.

“Quero que itens como acessibilidade e inserção do deficiente no mercado de trabalho, e outros, sejam tratados na Conferência Nacional”, disse.

Serão apresentados também os projetos em andamento ou que serão implementados no município, como o aumento do número de CRAS (de duas para seis unidades), a Casa de Passagem (abrigo para pessoas em situação de risco), o programa de erradicação da população de rua, o projeto de Prevenção e Combate à Dependência Química e a implementação do programa Renda Melhor, que aumentará em 4.500 o número de vagas do Bolsa Família, passando de 6.500 para 11 mil bolsas no município.