Contação de histórias nas escolas em homenagem ao Dia das Crianças

0
1148
Dalva Alves fará contação de histórias em escolas municipais.

Em homenagem ao Dia das Crianças, comemorado no dia 12 de outubro, a secretaria municipal de Cultura vai levar às escolas municipais um projeto de contação de histórias dedicado especialmente ao público infantil, dos quatro aos 12 anos de idade. O objetivo é despertar na criança o interesse pela leitura, além de ensinar curiosidades sobre a história de Maricá.

Baseados no trabalho de pesquisa da historiada Maria Penha de Andrade e Silva, os artistas Dalva Alves e Ronaldo Valentim se apresentarão a partir da próxima segunda-feira, dia 08.10, até o dia 11 de março de 2013, em unidades escolares municipais voltadas para o ensino da Educação Infantil. A proposta é atender duas escolas por dia. O cronograma das escolas que irão receber a dupla ainda será definido pela secretaria de Educação.

Com apresentações curtas, com duração aproximada de 15 minutos, os artistas se propõem a encantar o público por meio de estrofes rimadas sobre a tradição e cultura maricaense. “Usamos uma linguagem de fácil entendimento para as crianças, com um pouco da história da cidade em forma de cordel", destacou a cantora, acrescentando que também serão sugeridas brincadeiras interativas com a plateia. “Iremos cantar, contar histórias e alegrar as crianças que precisam ser tratadas com respeito, carinho e amor”, declarou.

Em parceira com Dalva, o cantor e compositor Ronaldo irá apresentar as canções do palhaço Chapinha, um de seus personagens de grande sucesso junto ao público infantil na época em que trabalhava num grupo teatral comandado pelo teatrólogo Mauro Menezes, principalmente em festas de aniversário. “O palhaço Chapinha sempre teve grande apelo com as crianças. A proposta é apresentar para quem não conhece as músicas infantis, de minha autoria, e para quem já ouviu, quero resgatar esse personagem que faz parte da memória de muitas pessoas”, explicou Valentim.

Sobre os artistas

Artistas integrantes do projeto local “Sob o Céu, Sob o Sol de Maricá”, que oferece gratuitamente música nas praças públicas da cidade, Dalva e Ronaldo têm em comum a paixão pela arte popular.

Dalva é carioca, criada no bairro de Vila Isabel, berço do samba carioca, mas somente em Maricá despertou seu interesse pela música. “Vim para Maricá em 1990. Comecei a frequentar um bar na Lagoa de Araçatiba e lá algumas pessoas me pediam para cantar uma música. Não achava que tinha jeito, mas as pessoas gostavam”, brinca a cantora que, alguns anos depois, se viu “obrigada” a aprender a tocar violão. “Em Maricá havia uma escassez enorme de músicos. Tive que aprender na marra. Já cheguei a me apresentar chorando por causa da dor nos dedos”, lembra a cantora, que em 1997, foi campeã do Fest Valda, realizado no Morro da Urca, que a prestigiou com um curso de aula de canto.

Além da música, Dalva confessa que uma de suas paixões são as crianças. “Em 2010, realizei um trabalho de fantoches na biblioteca municipal. Criei uma história de casamento caipira que encantava o público infantil. Chegamos a receber mais de 800 crianças”, destacou a artista, que pretende repetir o sucesso de teatro agora na contação de histórias. 

Já Ronaldo, oriundo da cidade de Taperoá, na Paraíba, desde criança tem íntima relação com a arte, iniciada pelo contato com o grupo teatral de Ariano Suassuna, famoso dramaturgo, romancista e poeta brasileiro. “Meu trabalho artístico começou pelo teatro ainda quando morava na Paraíba. Quando vim para o Rio de Janeiro, com 18 anos, trouxe toda a herança e a força da cultura nordestina”, explicou o artista que, além de atuar, canta, toca violão e compõe. Entre as suas criações, está a música "“Mar de cá”, em homenagem às belezas da terra que o acolheu. “Tenho o objetivo de gravar em breve um CD com essa canção que eu fiz para Maricá", disse.