Usuários e funcionários do CAPS confraternizam em almoço de Natal

0
780

“Feliz, emocionada e realizada”. Assim resumiu a psicóloga Camila Silva durante o almoço de confraternização de Natal, no Centro de Atenção Psicossocial (CAPS) de Maricá, do qual é diretora. Além dos funcionários, mais de cem usuários, acompanhados das famílias, participaram da festa.

O almoço foi animado pela música de Ronaldo Valentim e Dalva Alves e por canções natalinas e forró. Camila agradeceu aos mais de 400 usuários que frequentam semanalmente ou diariamente a instituição. “É uma oportunidade única conviver com vocês. Somos uma grande família", disse. Segundo a diretora, o trabalho do CAPS, inaugurado há dois anos como órgão regulador do Programa de Saúde Mental do município, vem avançando muito bem graças à qualidade dos técnicos e das parcerias em rede.

“Sozinho ninguém faz nada. Além disso, temos uma equipe altamente comprometida com o trabalho, que é extremamente rico e belo”, reitera a diretora, apoiada pela psicóloga Ana Carolina e pela enfermeira Rafaela Camacho. “Trabalhamos com alguns usuários com o CAPS extra-muros, que são iniciativas de reinserção social através de terapias foram do espaço físico da unidade”, explica Ana Carolina, citando como exemplos o ateliê ABC das Artes, visitas terapêuticas a outros espaços sociais, e a participação maior com a família. “Nosso propósito é que os usuários adquiram gradativamente sua autonomia”, completa.

A voz de quem participa

Nicéa Figueiredo veio do Hospital Psiquiátrico de Rio Bonito, onde esteve internada por vários anos. Resgatada pelo projeto de Desinstitucionalização do Programa de Saúde Mental do município, Nicéa hoje convive com a família e frequenta regularmente o CAPS. Leidjane Alves de Santana (Lalá) é outra usuária da instituição. Adaptada à terapia antimanicomial, não deixa o CAPS por nada.

Nilson Alves, 52 anos, casado, três filhos, morador do Marques, é funcionário aposentado do MEC e da Fundação de Saúde de Niterói.  Perguntado sobre o evento, Nilson disparou que “só não está melhor porque não chegou a minha vez na fila do almoço. A atenção dos funcionários aqui é o principal”, resumiu.