Prova Brasil é tema de capacitação para professores municipais

0
1439
Professores de Português da rede municipal de ensino participaram de um curso de formação sobre a Prova Brasil

Oitenta professores de Língua Portuguesa da rede municipal de ensino de Maricá participaram nesta quinta-feira, dia 02 de maio, de um curso de formação sobre a Prova Brasil, avaliação do Ministério da Educação para medir a qualidade do ensino básico no país a partir de testes padronizados. Destinado aos educadores do 5º e 9º ano, foi aplicado na Casa Digital, em dois horários, na manhã (9h às 13h) e à tarde (14h às 17h).

Um dos objetivos do curso é estimular a adoção em sala de aula do sistema de provas criado no Prova Brasil – quem vem a ser um dos subsídios que embasam o Ideb, Índice de Desenvolvimento da Educação Básica. A adoção envolve a incorporação da metodologia por parte do professor e a qualificação do aluno para enfrentar o teste pelo sistema.

Responsável pelo curso, a professora e mestre em Literatura, Claudia Barbosa de Medeiros, explica a importância da iniciativa. “Nossa proposta é incentivar a implantação em sala de aula para treinar o aluno desde sempre e com antecedência no Prova Brasil”, justificou. Cláudia é professora de Português há mais de 20 anos e atua na rede pública do município de Angra dos Reis.

Claudia usa o sistema há cinco anos. “Observei que os alunos se assustavam com o tipo de avaliação do Prova Brasil. A quantidade de questões, o tamanho e a formulação das perguntas, tudo era diferente daquilo que aprendiam na escola. Por isso, temos que nos preocupar em preparar e orientar os nossos alunos para essa nova realidade”, explica a professora, que já nota melhora no aprendizado dos alunos. Para Claudia, esse treinamento diário garante sucesso não apenas na Prova Brasil como também em diversas avaliações, como por exemplo, nos concursos públicos.

Com mais de 35 anos de magistério, a professora do 5º ano da Escola Municipalizada Luis Sparano, Graça Porto, acha a formação útil, principalmente por apresentar dicas que poderão ser aplicadas em sala de aula para estimular o aprendizado. “Essa troca de experiência é excelente para abrir nossos olhos para uma nova realidade. A partir de agora, vou dar mais ênfase nos objetivos e propostas da Prova Brasil. Pretendo formular questões de provas de maneira similar para treinar o aluno”, destacou.

Elizabete Vieira Gomes, professora do 9º ano da Escola Municipal Professor Darcy Ribeiro, em Inoã, também considerou o curso muito proveitoso para ratificar o tipo de avaliação. Elizabete, que leciona há 20 anos, admitiu que há pouco tempo adotou o sistema de provas de múltipla escolha para orientar os alunos, principalmente, para concursos públicos. “É importante prepara-los não apenas para serem aprovados em nossas aulas, mas que estejam seguros em qualquer outro tipo de prova”, assegurou.

Importância para o Ideb 

Para a superintendente de Formação Continuada da secretaria municipal de Educação, Carolina Farias Ribeiro, cursos como esses são importantes para capacitar e orientar o professor. “A Prova Brasil fornece um diagnóstico detalhado do ensino público, pois permite a obtenção de dados por escolas e municípios”, destacou a superintendente, acrescentando que os resultados integram o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) que mede a qualidade das redes de ensino do país.

Criada em 2005, mas aplicada pela primeira vez, em 2007, a Prova Brasil é um diagnóstico, em larga escala, desenvolvido pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep/MEC). A cada dois anos, são aplicadas provas de língua portuguesa, com foco em leitura, e matemática, com foco na resolução de problemas para alunos do 5º e 9º ano do Ensino Fundamental de escolas públicas. O objetivo é avaliar a qualidade do sistema de Educação, e não o aluno, para permitir a definição de ações voltadas ao aprimoramento da qualidade da educação no país e a redução das desigualdades existentes. Os dados dessas avaliações são comparáveis ao longo do tempo para acompanhar a evolução dos desempenhos das escolas, das redes e do sistema como um todo.