Emater realiza palestra sobre Cooperativismo para produtores maricaenses

0
833

A Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado do Rio de Janeiro (Emater) promoveu nesta quinta-feira (20/06) uma palestra na sede da Secretaria Municipal de Aquicultura, Agricultura, Pecuária e Pesca de Maricá, para dezenas de produtores do município. O palestrante foi o gerente de Pequenas e Médias Empresas da Emater, José Henrique Moraes.

Entre os aspectos destacados durante a apresentação, conceitos ligados ao cooperativismo e aspectos jurídicos e comerciais ligados às atividades agrícolas. Diversos representantes de segmentos, como Roberto Ferraz, presidente da Fapesca; Luiz Cláudio Cole, da Associação de Apicultores de Maricá; e Ernesto Henriques, agrônomo da Secretaria de Agricultura, falaram sobre reivindicações e projetos de seus setores, antes da explanação principal.

O apicultor Lourival Mothé, que acompanhou o encontro, produz mel em Maricá desde 2012 – o volume alcançado em um ano chegou a 500 kg, com 35 colmeias de abelha africana. “Produzo também própolis vermelha, poderoso anti-inflamatório e fortificante, excelente no tratamento de diversas doenças”, disse.

Luiz Cláudio Cole comentou a necessidade de união dos apicultores para o fortalecimento da categoria na cidade: “Produzo mel há doze anos, porém não temos espécies melíferas aqui, em quantidade suficiente. A qualidade do mel depende da qualidade da flora. Venho importando mudas de assa-peixe e morrão de candeia, principalmente de Minas Gerais. Se os 55 apicultores de Maricá se unirem, poderemos reflorestar com maior rapidez nossas matas. Só assim teremos mais floradas e garantiremos mel de qualidade o ano todo, inclusive para alimentação escolar de nossas crianças. É importante aprendermos a trabalhar em conjunto”, defendeu.

A apicultura é uma das atividades já identificadas pela secretaria municipal de agricultura com potencial para inclusão no Programa de Aquisição de Alimentos (PAA), do Governo Federal – que propicia a aquisição de alimentos de agricultores familiares com isenção de licitação, a preços compatíveis aos praticados nos mercados regionais. Pelo programa, os produtos comprados são destinados a instituições públicas e filantrópicas (hospitais, escolas, universidades, creches e presídios) e estabelecimentos privados, como supermercados.

Prefeitura auxilia produtores

Em Maricá, a produção de ovos caipira já está inscrita no programa. Segundo o secretário de Agricultura, Rubem Pereira, uma das metas da Secretaria é regularizar a situação dos demais hortifrutigranjeiros, da pesca artesanal e do mel e, com a inclusão no PAA, fortalecer essas atividades locais. “Já temos alguns produtos na Feira do Produtor e o Caminhão do Peixe. Para inclusão no PAA, é preciso alguns meses, pois a retirada do DAF (Documento de Aptidão ao Pronaf) depende de documentação individual do produtor, e da DAF Jurídica, quando associação ou cooperativa. Estamos recadastrando os produtores e pescadores e os auxiliando no processo de inclusão no PAA”, garantiu.

A produtora Maria Emília Barquette, ex-presidente da Associação de Pequenos Produtores de Maricá, achou importante a reunião: “Sempre é importante falar de cooperativismo, sistema importante para o pequeno produtor. Já tivemos em Maricá a associação de produtores e o COMDREP (Conselho
Municipal do Desenvolvimento Rural e Pesca), um órgão paritário que definia diversos assuntos sobre o setor no município. É preciso reativar essas entidades, para que haja mais discussões sobre as prioridades”, disse.