Monobloco e Grande Rio incendeiam o público na festa da padroeira

0
697
Monobloco incendeia o público no segundo show em Maricá.

O grupo Monobloco abriu o segundo dia de comemoração da Festa da Padroeira de Maricá na última sexta-feira (16). Na segunda visita à cidade – a estreia aconteceu em 2012 –, o grupo contagiou a plateia na Praça Orlando de Barros Pimentel, no Centro, com a mistura inconfundível de ritmos num show organizado pela secretaria municipal de Turismo.

A expectativa dos 17 ritmistas para o reencontro com o público da cidade foi resumida pelo vocalista do grupo, Pedro Quental, minutos antes do show. “O carinho e a receptividade de Maricá contagiaram todos nós”, vibrava Quental.

O Monobloco fez a galera vibrar com trechos de seu novo álbum “Arrastão da Alegria”, com regravações de artistas como Tim Maia (na canção “Um dia de domingo”) além dos sucessos que sempre estão no repertorio da banda, como “Taj Mahal”, “País tropical” e “Fio Maravilha”, de Jorge Benjor; sambas de Beth Carvalho, Arlindo Cruz e Zeca Pagodinho; músicas de Carnaval; o rock do Rappa e Titãs; e muito frevo, forró, axé e funk.

Fã do Monobloco desde 2000, o corretor de seguros Abílio da Assumpção da Silva, de 52 anos, veio de Jacarepaguá, na Zona Oeste do Rio, para acompanhar mais uma apresentação da banda. “Meu cunhado que mora em Maricá me avisou sobre o show. Curto mais samba, mas também gosto desta diversidade musical do Monobloco”, declarou Abílio, que estava acompanhado da mulher Leila Mariath, de 49 anos.

Moradora de Niterói, Nilcéa Rocha, de 42 anos, tem casa em Itaipuaçu e aprovou os eventos realizados pela prefeitura por conta da estrutura de segurança e clima pacífico do público. “Sempre venho aos shows aqui em Maricá e não tem briga. São muitas famílias e tudo corre sempre com tranquilidade”, afirmou Nilcea. “Adoro o Monobloco, principalmente, quando tocam os sambas e as músicas de Tim Maia”, completou.

Carnaval com a Grande Rio

Logo após o show do Monobloco, a festa continuou com a bateria da Grande Rio, comandada pelo mestre Ciça. A escola, que no Carnaval de 2014 vai contar na Marquês de Sapucaí a história de 200 anos do município, trouxe 40 ritmistas, mestre-sala e porta-bandeira, baianas e passistas para o show na cidade. No palco, o intérprete Emerson Dias cantou o jingle de Maricá para a folia e sambas-enredo de outros carnavais da Grande Rio, além de sambas conhecidos do público, como “Coisinha do Pai”, “Vou Festejar”, e muitos outros sucessos.