Cineclube Henfil exibe documentário de Carlos Drummond de Andrade

0
467

Um filme baseado na obra do escritor brasileiro Carlos Drummond de Andrade encerra o mês em homenagem aos grandes poetas latinos em Maricá. O Cineclube Henfil exibe nesta quarta-feira (30/10) o documentário “Poeta das Sete Faces” (2002 – Brasil), às 19h, na Casa de Cultura, no Centro. Em outubro, o projeto da secretaria municipal de Cultura exibiu filmes sobre as obras de Pablo Neruda, Vinícius de Moraes, Graciliano Ramos e Violeta Parra. O evento é gratuito e haverá distribuição de senhas 30 minutos antes da sessão.

Dirigido por Paulo Thiago, o documentário possui elenco de atores consagrados da dramaturgia nacional, como Othon Bastos, Paulo José, Paulo Autran, Antônio Calloni, Júlia Lemmertz, entre outros. Com 1h34 de duração, o filme aborda a vida e a obra do escritor, do seu nascimento em Itabira (MG), em 1902, à mudança para o Rio de Janeiro, em 1934, passando pela fase em que o autor começa a escrever sobre a vida política do país em meados da década de 1930 até os anos 40, além da faceta como cronista de sucesso e o auge de sua glória como poeta, da década de 1950 até os anos 80.

O documentário conta com depoimentos emocionantes de Ferreira Gullar e Adélia Prado e com a leitura das poesias de Drummond pelos atores Paulo José, Paulo Autran e Ana Beatriz, além de poemas musicados, interpretados por nomes como Samuel Rosa (Skank) e Milton Nascimento.

Carlos Drummond de Andrade (1902-1987) é considerado um dos maiores poetas da literatura brasileira no século XX. Começou a carreira de escritor como cronista colaborador do Diário de Minas e também escreveu para os jornais Correio da Manhã, Jornal do Brasil, A Tribuna, Estado de Minas e Diário da Tarde. Além de poesias, que constituem a maior parte de sua obra, e de suas crônicas, Drummond ainda criou contos infanto-juvenis e traduziu importantes obras da literatura mundial, como "A Fugitiva", de Marcel Proust, e “Artimanhas de Scapino", de Molière.

Por insistência da família, Drummond formou-se em farmácia em 1925, mas jamais exerceu a profissão. Publicou seu primeiro livro, “Alguma Poesia”, em 1930, com recursos próprios. Suas obras têm a influencia do modernismo e seus textos se caracterizam por uma linguagem coloquial repleta de ironia, sarcasmo e humor. O poeta morreu aos 84 anos vítima de complicações cardíacas.

A Casa de Cultura fica na Praça Orlando de Barros Pimentel, no Centro.