Centro de Artes e Esportes será personalizado com grafite

0
764
Moradores da Mumbuca fizeram sugestões para arte com grafite na fachada do CEUs na oficina de mobilização social

Moradores escolheram símbolos de Maricá que serão desenhados; artistas e alunos de escola municipal farão o trabalho durante inauguração do espaço na Mumbuca

O Centro de Artes e Esportes Unificados (CEUs) em construção na Mumbuca será personalizado com grafite por artistas da cidade e alunos do Centro Educacional de Maricá Joana Benedicta Rangel. A intervenção artística com grafite será feita no dia da inauguração do espaço. Orçado em R$ 2,5 milhões, o projeto do Governo Federal em parceria com a Prefeitura vai oferecer atividades esportivas, sociais e culturais e terá uma unidade do Centro de Referência da Assistência Social (CRAS), anfiteatro (cinema e teatro), telecentro, biblioteca, auditório, pistas de caminhada e de skate e quadra de esportes, além de equipamentos de ginástica e playground.

Nesta segunda-feira (02/12), durante a sétima oficina de mobilização social na E.M Joaquim Eugênio dos Santos, também na Mumbuca, os moradores sugeriram ideias de pontos turísticos (Farol de Ponta Negra, Lagoa de Araçatiba, Pedra do Elefante e vista da lagoa de Itapeba) e símbolos do município (ciclistas, capoeiristas, moradores conhecidos do bairro, obras importantes como as pontes da Mumbuca e a que está em construção na Barra de Maricá) que serão desenhados em parte da fachada, próximo à pista de skate.

O coordenador da Unidade Gestora Local, Perceu Pereira da Silva, negocia a pintura com grafite nos muros de duas lojas em frente ao Centro de Artes e Esportes. “Estamos conversando com os comerciantes para fazer essa parceria”, adiantou o coordenador.

A oficina de intervenção artística no CEUs será coordenada por Lucas Goulart, artista que há um ano realiza uma oficina de grafite com alunos do CEM Joana Benedicta Rangel, no Centro. “Iremos representar os símbolos da cidade escolhidos pelos moradores com caricaturas e animação”, declarou Lucas, que apresentou para os moradores presentes no encontro um histórico sobre essa manifestação artística, iniciada no início da década de 70 por jovens norte-americanos de movimentos do hip-hop.

Moradores indicam atividades para espaço

Durante a sétima oficina de mobilização social, os moradores também apresentaram ideias de quais serviços e atividades devem ser oferecidas no Centro de Artes e Esportes. A aposentada Marlene Pinheiro Cardoso, de 69 anos e que mora há 43 anos na Mumbuca, participa das discussões desde o primeiro encontro há mais de dois meses e fez três sugestões para o espaço. “Precisamos de atividades para a Terceira Idade, aulas de dança de salão e de reforço escolar”, afirmou a moradora.

Também presente desde o início das reuniões de mobilização social, Sérgio Melo Rozendo Leite, de 63 anos, mora há duas décadas no bairro e acredita que o projeto será um importante elo de inclusão social. “Será ótimo ter um ambiente com atividades esportivas e culturais para as crianças e jovens. Também é importante oferecer atrativos, como oficinas de arte e lazer para os pais”, destacou Sérgio.

A próxima oficina de mobilização social acontece na segunda-feira (09/12), às 18h30, no mesmo local. Os participantes irão definir o modelo do grupo gestor e o número de membros que formará o conselho paritário (metade formado pela sociedade civil e a outra metade por representantes do governo), além de definir a data da eleição. “O grupo gestor terá a atribuição de consultar os moradores para saber quais atividades devem ser disponibilizadas no CEUs. É importante a participação do maior número de pessoas. Os moradores precisam ocupar este espaço e discutir a melhor utilização”, ressaltou a coordenadora das oficinais, Márcia Passos.