Prefeitura de Maricá comemora o Dia Nacional de São José de Anchieta

0
793
Prefeitura de Maricá comemora o Dia Nacional de São José de Anchieta

Para prestigiar o Dia Nacional de São José de Anchieta (09/06), a Prefeitura de Maricá realizou na manhã dessa segunda-feira ações comemorativas ao recém-canonizado santo, que faz parte da história da cidade como catequizador e evangelizador dos índios e responsável pela pesca milagrosa, em Araçatiba. Implementadas pela Secretaria Municipal de Assuntos Religiosos, as atividades contaram com a parceria do Vicariato Oceânico da Arquidiocese de Niterói, da Paróquia Nossa Senhora do Amparo, das secretarias municipais de Ações para Idosos, Educação, Cultura e Turismo e Lazer.

Nas margens da Lagoa de Araçatiba, próximo ao local do milagre da pesca, o Pároco Marcos Calixto abençoou os presentes e destacou a importância do evento, que marca os 417 anos de morte do padre. "Para construirmos uma nação mais justa, temos que olhar para o passado e buscarmos nele exemplos de acolhimento e humildade, como nos ensinou Anchieta, tão dedicado às causas apostólicas. Espero que possamos reforçar a construção de um mundo melhor", ressaltou o pároco.

O Vigário Episcopal do Vicariato Oceânico, Luiz Cássio Moreira, um dos maiores estudiosos sobre a vida e obra do santo no Brasil, também esteve presente ao evento. Na ocasião, ele ressaltou que Anchieta deve ser lembrado por suas obras religiosas e, principalmente, por sua contribuição cultural.  "O Brasil é uma nação laica, mas a formação de seu povo é cristã. No Brasil, ele é pai da literatura, do teatro e da gramática", explicou o vigário, lembrando ainda o tempo do Brasil Colônia. "Anchieta não teve medo da natureza, nem dos índios e nem dos portugueses. Ele é um dos responsáveis pela fundação da cidade do Rio de Janeiro e São Paulo. Maricá também está inserido nesse cenário. Aqui, ele catequizou, evangelizou os índios e fez a pesca milagrosa", citou o vigário.

O presidente da Câmara de Vereadores, Fabiano Horta, que estava representando o prefeito Washington Quaquá,  falou sobre a importância do santo para a história da cidade. "É um evento simples, mas de um simbolismo enorme que marca a valorização e resgate de nossa essência. Anchieta possui vínculos profundos com a nossa cidade e isso merece nosso respeito e admiração", frisou. O secretário municipal de Assuntos Religiosos, Sérgio Luis de Sousa, acrescentou que está sendo construída uma escultura de dez metros do santo, que ficará dentro da Lagoa de Araçatiba. "Ainda não temos data para inaugurar, mas a intenção do prefeito é marcar permanentemente o lugar onde ocorreu a pesca milagrosa, valorizando a história da cidade", declarou o secretário. 

Na ocasião, foi apresentado um modelo da escultura produzido pelo artista baiano Tatti Moreno que, em 2001, lançou a exposição "Orixás da Bahia por Tatti Moreno", composta por oito orixás de seis metros de altura, que percorreu diversas capitais brasileiras, como Goiânia e Rio de Janeiro. A professora, pesquisadora e historiadora Maria Penha de Andrade e Silva fez um resgate histórico e citou o decreto 55.588 (de 1965) do governo do presidente Castelo Branco, que instituiu o Dia Nacional de Anchieta. "Falar do santo na Lagoa de Araçatiba é mais do que divino, é supremo para uma filha de Maricá, como eu sou. Luto pela divulgação da figura de Anchieta em nossa cidade. Considero-o como o verdadeiro fundador de Maricá", destacou a historiadora.

O evento também contou com a apresentação do Grupo Musical Alegria de Viver, formado por integrantes da Secretaria Municipal de Ações para Idosos, que interpretou o Hino de Maricá e a música "A Paz", do grupo Roupa Nova. Os alunos do CAIC Elomir Silva – vestidos de índios, pescadores, peixes e padres – simbolizaram a importância de Anchieta para o município. A mesma performance foi apresentada no desfile cívico, realizado no aniversário da cidade (26/05). Mesmo sem saber a história de Anchieta, Lucas Santana Mendes, de sete anos, estava muito feliz em participar do evento, "Meu avô falou comigo sobre o padre, mas eu ainda não estudei sobre ele. Estou curioso", destacou.

Uma turma de 20 alunos do CEM Joana Benedicta Rangel também prestigiou a cerimônia. A aluna Pâmela da Conceição Nicolau, de 17 anos, do 3º ano do ​curso de Edificações, declamou uma poesia que fez especialmente para homenagear o santo. "Apesar de ser católica, desconhecia a importância de Anchieta para a nossa cidade. Mas, pesquisei muito e pude me aprofundar no assunto. É importante valorizarmos o nosso passado como forma de aprendermos e formamos uma sociedade mais justa", declarou a aluna. ​