Blitz da Prefeitura e da Câmara flagra irregularidades em agências bancárias de Maricá

0
692
Agência foi multada pela demora no atendimento, por não destinar banheiros e bebedouros aos clientes, e por não ter alvará de funcionamento

A Prefeitura de Maricá multou nesta sexta-feira (01/08) duas agências bancárias no Centro de Maricá por demora no atendimento, após denúncias de consumidores, e falta de alvará de funcionamento, em blitzen realizadas em parceria com a Comissão de Defesa do Consumidor da Câmara Municipal, com apoio do Procon e secretarias de Fazenda e Desenvolvimento Urbano. A fiscalização continua e será feita em todos os bancos da cidade para adequá-los a Lei Municipal 2.478/2013, que determina horário de atendimento e disponibilização de assentos, banheiros e bebedouros com água gelada para a população.

A Secretaria Municipal de Fazenda multou a agência do Banco do Brasil em 50 Ufimas (Unidade Fiscal de Maricá), equivalente a R$ 5.657,50, pela demora no atendimento (ultrapassa o tempo máximo de 20 minutos por pessoa) e por não destinar banheiros e bebedouros aos clientes; e outras 10 Ufimas (R$ 1.131,50) porque a agência não possui alvará de funcionamento. "Eles terão 15 dias para se adequar ou a multa será dobrada", disse Renata Dácio, subsecretária de Atendimento e Empresarial. Já o secretário Roberto Santiago reforçou que o atendimento nas agências precisa ser feito em até 20 minutos, independente do dia. "Eles precisam estar preparados para qualquer demanda, salvo em feriados ou grandes festividades onde aumenta o número da população. Nestes casos, o tempo máximo é de 30 minutos", afirmou.

Nesta agência, um fato chamou a atenção dos fiscais. O banheiro, que segundo a gerência é destinado aos clientes, possui uma placa de acesso restrito e não há nenhuma indicação de uso permitido à população. "A placa de acesso restrito inibe a utilização por parte dos consumidores. Outro problema no Banco do Brasil é a falta de acessibilidade para deficientes", declarou o presidente da Comissão de Defesa do Consumidor, Marcelo Vianna. "Recebemos muitas reclamações da população insatisfeita com o atendimento nos bancos. Essas ações serão constantes para obrigá-los a cumprir a lei", acrescentou o vereador.

No caixa de atendimento do Banco do Brasil, o vigilante Francisco Marcelo Ferreira, de 44 anos, criticou a demora no atendimento e a falta de banheiros. "Na porta do banheiro existe uma placa de acesso restrito. Então como saber se posso usar?", questionou. "O atendimento em todas as agências é muito ruim porque têm poucos caixas. Outro dia fiquei mais de uma hora na fila", completou o vigilante, morador de Itaipuaçu.

Já o morador de Inoã, Moises Tomas de Aquino, de 42 anos, utiliza a agência do Banco do Brasil desde que comprou um carro financiado. "O atendimento é muito demorado. Não tem água e banheiro. Também faltam atendentes para orientar nos caixas eletrônicos", reclamou. 

Denúncias no Procon

A fiscalização também aconteceu na Caixa Econômica Federal, localizada na Avenida Roberto Silveira, multada em 20 Ufimas (R$ 2.263) por não ter alvará de funcionamento, e na agência do Itaú (esquina das ruas Ribeiro de Almeida e Expedicionário Luiz Manoel Ferreira), onde não foi constatada irregularidades.

Nas ações, os vereadores da Comissão de Defesa do Consumidor, Marcelo Viana, Frank Costa e Aldair de Linda (os outros membros são Felipe Bittencourt e Helter Ferreira), e fiscais do Procon e das secretarias de Fazenda e Desenvolvimento Urbano distribuíram panfletos sobre a lei municipal. "Aproveitamos essa oportunidade para orientar a população sobre seus direitos", disse a coordenadora do Procon de Maricá, Bianca Marques Migon. O Procon funciona de segunda a sexta-feira, das 9h às 17h, na Rua Abreu Rangel, 420, sala 111, no Centro. Mais informações pelo telefone 2634-1342.​