Luz, câmera e ação: Curso Livre de Cinema ganha adeptos em Maricá

0
883
Aulas do curso acontecem na sede da Secretaria de Cultura, no Centro de Maricá

Projeto pioneiro da Secretaria Municipal de Cultura é realizado gratuitamente aos sábados e destinado para pessoas de todas as idades

Após a reativação, em dezembro de 2012, do Cineclube Henfil – projeto municipal que exibe gratuitamente às quartas-feiras clássicos da sétima arte à população – a Secretaria Municipal de Cultura de Maricá decidiu colocar em prática a ideia de Luiz Gustavo de Souza, estudante de Cinema da Universidade Federal Fluminense (UFF), de montar um curso dedicado ao gênero no município. Com uma turma já formada na cidade e a segunda em fase de conclusão, o jovem é responsável pela execução das aulas do Curso Livre de Cinema, realizadas gratuitamente aos sábados, das 10h às 12h, na sede da secretaria, que tem novo endereço (Rua Carlos Rangel, 51, Maricá). "Nosso objetivo sempre foi promover o debate sobre a sétima arte", explica o subsecretário de Cultura, Zola Xavier. "Para reabertura do Cineclube Henfil preparamos o Festival Chaplin, com duas mostras (uma em dezembro de 2012 e a outra em janeiro de 2013), e foi através dele que o Luiz Gustavo nos sugeriu a ideia. Tanto o Cineclube quanto o curso agregam pessoas com o mesmo interesse: o gosto por cinema", declara.

Assim como feito na primeira turma, montada e formada em 2013, os atuais alunos recebem noções dos conceitos, técnicas e questões sociais presentes em filmes clássicos na cena mundial e passam por três diferentes etapas: teoria, prática e trabalho final de curso – com a produção de um curta-metragem.  "Partimos sempre do debate. Iniciamos as aulas com a parte teórica. Apresentamos as influências do cinema francês, americano, brasileiro, animação. Depois, partimos para a parte técnica, apresentando os equipamentos. Muitos nunca tiveram um contato anterior com a câmera, por exemplo. E como produto final, produzimos um filme. Todos se envolvem, produzem e dão ideias", explica Luiz Gustavo, que ministra as aulas e dirige o trabalho final dos estudantes. De acordo com ele, para participar do curso basta gostar de cinema, aceitar compartilhar ideias e comparecer à secretaria no dia das aulas. "Como o próprio nome já diz, o curso é livre, destinado para pessoas de todas as idades. Quem chegar será bem-recebido", garante.

"Toca do Saci"

Os dez alunos que participam da segunda edição do curso, que começou no maio desse ano, já trabalham na produção do filme, que tem previsão de lançamento para dezembro, em comemoração ao aniversário do Cineclube Henfil. O curta-metragem, batizado de "Toca do Saci", será filmado em diferentes pontos da cidade e já conta com a colaboração de 90 pessoas, incluindo os próprios estudantes do curso, alunos do C.E.M. Joana Benedicta Rangel (uma das locações), ex-alunos da oficina, atores da cidade, familiares e amigos.

O diretor do filme adianta que a obra será uma homenagem ao folclore brasileiro, com a escolha do personagem Saci Pererê como mote, e tem a proposta de abordar temas atuais, como o bullying nas escolas. "Para chegarmos ao tema, fizemos vários debates e cada um defendeu uma ideia. No final, utilizamos um pouco de cada sugestão e chegamos a uma conclusão", afirma Luiz Gustavo. O filme uma ficção, com um teor pedagógico e leve, com a participação de 45 alunos, de diferentes séries, do C.E.M. Joana Benedicta Rangel e terá aproximadamente 15 minutos. As filmagens começam em setembro e incluem tomadas na Praça Dr. Orlando de Barros Pimentel, em pontos do Espraiado, em uma casa em Araçatiba e na sede da Secretaria de Cultura, além do C.E.M. Joana Benedicta Rangel. "Em Maricá, acredita-se muito em lenda e, por isso, há a identificação com o Saci, que é um herói nacional. Ele combate a injustiça desde a escravidão, combate a injustiça do mundo moderno", acrescenta o subsecretário Zola Xavier. "Além disso, o tema tem um cunho de tradição e, por isso, escolhemos o C.E.M. Joana Benedicta Rangel, que é uma escola importante para Maricá", ressalta Zola, que produz o filme com Thiago Cardoso.

"Toca do Saci" terá trilha sonora do músico Ronaldo Valentim, com canções inéditas; direção de elenco de Álvaro Ferreira, responsável pela turma de teatro do Centro Unificado de Artes e Esportes (CEU) e que convidou seus alunos para atuarem no filme; e figurinos de Creuza Maria Silva. "A união dessas pessoas faz com que a arte cresça. Digo que é uma união artística e musical, que já consagra o nosso esforço e trabalho", finaliza Zola. Recentemente o grupo apresentou no Rio o projeto à ministra de Cultura, Marta Suplicy. "Entregamos a camisa do filme a ela. Quando explicamos o nosso trabalho e falamos do filme, com gancho na cultura nacional, a ministra adorou e abraçou o nosso projeto. Depois de pronto, a nossa proposta é apresentar o filme nas escolas da cidade", conta Thiago Cardoso, produtor do filme e um dos representantes do curso de cinema.