Cineclube Henfil exibe documentário sobre Solano Trindade

0
482
Filme sobre a vida e obra do poeta será exibido nesta quarta-feira, às 19h, na Casa Digital, no Centro

Em comemoração ao Dia da Consciência Negra (20 de novembro), o Cineclube Henfil de Maricá desta quarta-feira (19/11) apresenta um documentário sobre Solano Trindade, considerado pela crítica especializada o criador da poesia negra no Brasil. A partir das 19h, o projeto da Secretaria Municipal de Cultura exibe “Solano Trindade – O Vento Forte do Levante” (2011 – Brasil), na Casa Digital (Praça Dr. Orlando de Barros Pimentel, no Centro). A sessão é gratuita e senhas de acesso serão distribuídas às 18h30.

Dirigido por Rodrigo Dutra, o curta-metragem com 52 minutos de duração mostra a vida e obra do poeta, folclorista, pintor, ator, teatrólogo e cineasta na luta contra o racismo. Um de seus poemas mais conhecidos, “Tem Gente com Fome”, foi musicado em 1975 pelo grupo “Secos & Molhados”. Na época, a canção foi censurada pela ditadura militar e regravada em 1980 por Ney Matogrosso, no álbum “Seu Tipo”. Por causa desta música, em 1944, Solano foi preso e teve o livro “Poemas de uma vida simples” apreendido. Além disso, em 1964, um dos seus quatro filhos, Francisco Solano, morreu numa prisão da ditadura militar.

Solano Trindade ajudou a organizar o I Congresso Afro-brasileiro, ocorrido em 1934 em Recife, além de fundar a Frente Negra Pernambucana e o Centro de Cultura Afro Brasileiro, também no Recife. Na década de 1940, residiu no Rio de Janeiro e posteriormente, em São Paulo, transformou a cidade de Embu num centro cultural onde dezenas de artistas passaram a viver da arte, o que fez a cidade ser batizada com o nome de Embu das Artes. No teatro, foi o primeiro a encenar a peça “Orfeu”, de Vinícius de Morais, em 1956. Nos cinemas, integrou os elencos das comédias “Agulha no Palheiro” (1953) e “Santo Milagroso” (1966). 

O Cineclube Henfil exibe ainda “Somos Todos Irmãos” (26/11), estrelado pelo ator Grande Otelo, que encerrará a programação de novembro. Neste mês, o projeto municipal apresentou “Memórias Póstumas de Brás Cubas”, obra literária de Machado de Assis que foi levada para as telas do cinema, e “Madame Satã“.​