CRAS Itaipuaçu realiza teatralização para adolescentes

0
458
Adolescentes apreciaram a performance do ator e professor de teatro Marco Antonio Rosas de Carvalho, que apresentou o rapper Dentino

A coordenação do Centro de Referência de Assistência Social (CRAS), da unidade de Itaipuaçu, realizou nesta quarta-feira (13/05) atividade de socialização para adolescentes com base na teatralização. Cerca de 20 jovens e suas famílias dos CRAS Itaipuaçu e CEU participaram da apresentação. O evento, que ocorreu no Centro de Artes e Esportes Unificados (CEU), teve como tema “O Dia do Trabalho e a Vocação”.

Depois de assistir a um vídeo sobre dança, os adolescentes apreciaram a performance do ator e professor de teatro Marco Antonio Rosas de Carvalho, que apresentou um personagem de sua criação, o rapper Dentino, do planeta Dentado. Dentino fez uma comparação do comportamento dos habitantes da Terra com os do seu planeta e ensinou conceitos e condutas morais para os jovens.

O psicólogo do CRAS Itaipuaçu, Carlos Queiroz, ressaltou o sociodrama presente no trabalho de Marco Antonio. “Através do lúdico, da brincadeira, o ator registra realidades do cotidiano, como o conflito de gerações, a violência, o bullying, a autoestima, a amizade em uma crítica construtiva e consciente”, concluiu.

A coordenadora do CRAS Itaipuaçu, Dilayne Guedes, informou que outras atividades de socialização estão sendo programadas. “Temos atividades regulares de esporte e lazer no CRAS Itaipuaçu. A ideia é a integração com outros centros de referência para que os jovens troquem informações e ideias, fortalecendo vínculos de família, amizade, estudo e trabalho”, adiantou.

Victor João Monteiro, 12 anos, estudante do 6º ano da E.M. João Monteiro, em Itaipuaçu, quer estudar Psicologia e gostou das performances do ator Marco Antonio. “Achei legal quando ele falou da amizade e do abraço”, comentou. Vitória Armond, 13 anos, aluna do 6º ano da E.M. Marques de Maricá, aprovou a criatividade do ator. “Gostei das músicas e das falas dele, principalmente sobre diversidade e afeto”, lembrou.