Primeira colocada no vestibular da Faetec foi aluna do CEM Joana Benedicta Rangel

0
1327

Um indicador da qualidade do ensino público municipal em Maricá é o feito obtido pela jovem Gabryella Granado Martins Pereira de Assis, de 13 anos. Aluna do Centro Educacional Municipal Joana Benedicta  Rangel, no Centro, onde concluiu o Ensino Fundamental em dezembro passado, Gabryella foi inscrita pela mãe, a administradora Márcia Granado de Melo, na prova para disputar uma vaga na unidade de Saquarema da Fundação de Apoio à Escola Técnica (Faetec). Embora não tenha tido condições de frequentar cursinhos preparatórios, a jovem acabou sendo aprovada em primeiro lugar e fará o curso de técnico em meio ambiente naquela unidade. 

"Sou uma mulher simples, com poucos recursos financeiros, e mesmo sem poder pagar cursinhos para a minha filha a inscrevi no concurso público", conta Márcia em uma carta de agradecimento endereçada ao prefeito Washington Quaquá. "Não poderia deixar de agradecer pela qualidade do ensino que você implantou nas escolas da cidade, possibilitando assim que os filhos de cidadãos simples como sou possam se orgulhar das conquistas que nossos filhos através do maior instrumento modificador da sociedade que é a educação”, acrescenta ela em alusão ao trabalho realizado com Gabryella no CEM Joana Benedicta Rangel. O prefeito Washington Quaquá comentou o teor da carta. "Nosso maior objetivo é fazer com que melhore a vida do povo e que cada geração consiga viver melhor que nossos pais", afirma. "Gabryella é um exemplo de que investir na escola pública é um caminho fundamental da mudança social", atesta. 

À reportagem, que esteve na casa da família, no Centro, a mãe da estudante reafirmou o que escrevera e disse que também agradeceu à direção da escola. “Desde que ela entrou ali percebi que pequenas mudanças tiveram um grande efeito na vida dos alunos e foram transformando o ensino e a convivência da equipe com eles. Creio que isso seja algo importante para um melhor desempenho deles", analisou. "Temos de saber elogiar quando as coisas funcionam de verdade”, completou ela, que também é mãe de Pollyana, de 12 anos, e de Nykollas, de 11, ambos também alunos da mesma unidade de ensino municipal. 

Enquanto a família ainda comemora, Gabryella já se prepara para enfrentar diariamente os 46 kms entre Maricá e o distrito de Bacaxá, onde fica a unidade da Faetec. “Vou fazer a matrícula essa semana e já estou montando um grupo de colegas que também vão para lá”, adianta a aluna, contando que sua aprovação foi uma surpresa até para ela. “Eu estava bem confiante mas não sabia se ia passar como passei. Quando vi meu nome em primeiro lugar eu saí gritando, mostrei para os amigos nas redes sociais, foi uma alegria só”, recorda ela, que já participou de duas edições do Projeto Redação, da Secretaria Municipal Adjunta de Educação, do qual participou com textos sobre a questão ambiental. Segundo sua mãe, este é uma assunto que interessa à filha desde muito cedo. “Com 9 anos, ela estudava na E.M. Carlos Magno Legentil de Matos (também no Centro) e já levava óleo de cozinha velho para reaproveitar, e ainda faz isso até hoje no ‘Joana’”, revela Márcia.