Saúde faz ação pelo Dia Mundial de Combate à Hanseníase

0
307

A Secretaria Municipal Adjunta de Saúde, por meio do programa Hanseníase realizou na manhã desta quinta-feira, 28/01, ação na Praça Conselheiro Macedo Soares (Praça do Turismo), para celebrar o Dia Mundial de Combate à Hanseníase. Além de falar sobre a doença, as equipes informaram sobre diversos assuntos tais como os programas Saúde do Homem, DST/AIDS/Hepatites virais, Hipertensão e diabetes, Combate à dengue (PMCD), planejamento familiar e Alimentação e Nutrição (ATAN).

A hanseníase é uma doença transmitida por meio das vias respiratórias: tosse e espirro – a principal fonte de transmissão é a pessoa doente que ainda não recebeu tratamento. A doença atinge a pele e os nervos dos braços, mãos, pernas, pés, rosto, orelhas, olhos e nariz. O tempo entre o contágio e o aparecimento dos sintomas é longo e a hanseníase pode causar deformidades físicas que podem ser evitadas com o diagnóstico precoce e o tratamento imediato. “Não se passa a hanseníase por abraço, aperto de mão e carinho. Se tratada, tem cura. Manchas esbranquiçadas ou avermelhadas com perda parcial ou total da sensibilidade pode ser um sinal da doença. Nesse caso é preciso procurar a unidade de saúde mais perto de casa”, destacou a coordenadora do Programa Municipal de Combate à Hanseníase, Amália Salimena.

A população aprovou a iniciativa. É o caso do apicultor e aposentado Luiz Cláudio, 75 anos. Segundo ele, a ação foi importante para que as pessoas recebam informações e se cuidem. Para Camille Muniz, de 25 anos e o marido Lázaro Albuquerque, 31, design de interiores, receber informações foi muito importante. “Há pessoas que têm a doença e sem saber, podem contaminar outras”, disse Camille. “Foi positivo aprender sobre a doença. Agora vamos passar essas informações para frente”, afirmou Lázaro.

Subsecretária municipal de Atenção Básica, Claudia Souza comenta que a importância está em esclarecer e informar sobre sinais e sintomas. “Além disso, desmistificar a doença e oferecer o tratamento e a cura, vencer o preconceito”, completa. Qualquer informação em relação à hanseníase pode ser solicitada direto com a coordenação do programa, no Centro de Diagnóstico (Rua Domício da Gama, sala 10, ao lado do hospital). Há uma equipe formada por médico, enfermeiro, técnico de enfermagem, assistente social e fisioterapeuta para realizar o tratamento, que é gratuito. O atendimento é de segunda à sexta-feira, das 8h30 às 17h.