Equipes discutem a criação de uma Feira Municipal com gastronomia, artesanato e moda - Foto: Jorge André

Aconteceu na manhã desta terça-feira (06/02), no Cinema Público Municipal Henfil, a primeira reunião geral para a elaboração da Feira Municipal. O espaço vai ampliar as opções de comercialização para pessoas que produzem artesanalmente do município. O encontro contou com presença de lideranças da Associação dos Produtores Rurais, da Cooperativa Praxis, de produtores das áreas de gastronomia, pecuária, moda, artesanato e agroecologia, além da presença dos secretários de Economia Solidária, Diego Zeidan, de Participação Popular, Direitos Humanos e Mulher, João Carlos de Lima (Birigu), e de representantes de outras pastas como Turismo, Cultura, Trabalho e de Agricultura, Pecuária de Pesca.

Neste primeiro encontro foi criado um grupo de trabalho que vai discutir todo o desenvolvimento do projeto da feira. Foi estabelecido como data para a realização do evento o dia 3 de junho. A periodicidade – semestral, mensal, quinzenal ou semanal – será discutida em outras reuniões. O grupo se encontrará no próximo dia 20/02 às 15h, mas o local ainda não foi definido. “A feira é um espaço necessário para a cidade. Um trabalho feito por todos e não só pelo governo, não só por uma secretaria. São diversas secretarias empenhadas e segmentos. Da agricultura à moda passando pela gastronomia e artesanato”, comentou o secretário de Economia Solidária, Diego Zeidan.

A proposta é montar algo além da abertura de espaço de comercialização. Um local que possa servir de ponto de encontro, convivência e espaço cultural, onde as pessoas possam trocar experiências. O secretário João Carlos (Birigu) reafirmou que a feira será resultado de um trabalho coletivo formado através de um tripé: consumidores, produtores e governo. Ainda segundo ele, os segmentos envolvidos vão transformar a iniciativa em referência para encontros e outras experiências. “Venho de uma cultura de feira livre. Frequentava locais para encontrar amigos, trocar ideias, papear. As pessoas devem ir à feira para além do ato de comprar. A feira é um local de convivência”, afirmou.

Representando o secretário de Turismo, Robson Dutra, o subsecretário Welton Campello acrescentou que não vai medir esforços para transformar o novo espaço em ponto turístico na cidade. “Estiveram aqui na cidade agentes de turismo do Rio de Janeiro e ficaram encantados com a Horta Comunitária Municipal. Eles disseram nunca terem visto uma mandala. Podemos aproveitar este nosso potencial para divulgar a cidade”, destacou.

O produtor rural Guilmar Monteiro, de 71 anos, estava muito confiante no sucesso do projeto. Segundo ele, a feira vai movimentar ainda mais o comércio local e dar mais possibilidades aos pequenos produtores. “Esta é a melhor coisa que aconteceu para nós produtores nos últimos tempos. Aguardava por este momento há tempos”, destacou. A expectativa sobre o sucesso da feira era unanime entre os participantes. Gabriella Nieva, 43 anos, acrescentou que a iniciativa é muito importante para a cidade. “Já não vejo a hora da feira começar a funcionar. Estou muito ansiosa por isso”, vibrou.

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here