Foto: Divulgação

Em uma reunião realizada em sua sede, no Rio, na última semana, o Sebrae/RJ apresentou a representantes da Prefeitura de Maricá diversas propostas para parcerias em projetos já em execução no município. O objetivo da apresentação foi o de oferecer aperfeiçoamento às iniciativas em andamento. Os principais pontos mencionados durante o encontro foram os parques Tecnológico e Industrial, os projetos Energia Sustentável, Cidade Inteligente e Hortas Comunitárias e o Aeroporto de Maricá. Todos os projetos estão diretamente ligados à Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Comércio e Petróleo, à Secretaria de Indústria e Portuária e à Companhia de Desenvolvimento de Maricá (Codemar).

A relação de propostas é extensa. Incluiu o apoio na implantação da Incubadora de Negócios que será montada no Parque Tecnológico, o desenvolvimento de empresas especializadas na cadeia de valor fotovoltaica (no caso do Projeto Energia Sustentável), conectar a cidade com o ecossistema de Smart Cities através de seminários, capacitações de empreendedores, a modelagem de negócios e protótipos (projeto Cidade Inteligente), a capacitação de produtores em um sistema integrado de Agroecologia Sustentável e em Tecnologias de Gestão (para os produtores envolvidos no Projeto Hortas Comunitárias). A relação inclui também a estruturação de uma modelagem de organização do cluster (organização de empresas) Aeroespacial de Maricá, tendo como foco o aeroporto municipal, entre outros pontos que podem ser aperfeiçoados com o apoio do Sebrae/RJ.

Para Alan Novais, secretário de Desenvolvimento Econômico, ter o Sebrae/RJ como parceiro nesses projetos-chave para crescimento de Maricá é fundamental para que eventuais erros não sejam cometidos. “O Sebrae tem anos de experiência em estruturação e fortalecimento de projetos em empresas privadas, o que já comprova a experiência e o know-how que pode ser passado. Essa primeira conversa, para trocarmos informações, foi bem produtiva e tenho certeza que algo de extremo valor para o crescimento da cidade será estruturado envolvendo todos os entes públicos interessados”, afirmou.

Já o presidente da Codemar, José Orlando Dias, acredita que o Sebrae tem que estar inserido no projeto do Parque Tecnológico. “Algumas entidades já estão confirmadas dentro do modelo que está sendo construído. Temos conversas com diversas instituições e estamos caminhando tanto no universo acadêmico quanto no universo privado, e com instituições que possam também agregar. E esse é o caso do Sebrae”, explanou.

O coordenador do Programa de Petróleo e Gás, Antonio Batista, explicou como é a atuação do Sebrae/RJ ao firmar parcerias com o poder público e/ou grandes empresas. “O nosso papel é mais estratégico. Olhamos, em geral, um setor ou território. Temos como foco o micro e pequeno negócio, mas a nossa abordagem, nossa forma de desenvolvê-los, difere do que fazemos no dia-a-dia. Por isso que parcerias com prefeituras e grandes empresas se justificam. Propomos estratégias de desenvolvimento que vão beneficiar, em um segundo plano, o público que o Sebrae tem como objetivo fomentar. Isso acaba impactando a economia local, com emprego, renda e outros fatores”, descreveu.

Um novo encontro, em data a ser definida, ficou pré-estabelecido. Participaram também da reunião o subsecretário de Indústria e Portuária, Magnum Amado; o diretor de Desenvolvimento do Sebrae Rio de Janeiro, Evandro Peçanha Alves; o assessor da diretoria do Sebrae Rio de Janeiro, Júlio Cesar Monteiro de Barros Reche e o coordenador do Sebrae Leste Fluminense, Leandro Marinho.

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here